Pequenas reticências…

Archive for Novembro 2011

Um dia, em um galho no meio de uma bela paisagem, um galo cantava a todo pulmão, de modo que sua voz ecoava pela planície. Uma raposa que caçava por aquelas bandas, ouvindo o som do galo e de seu estômago roncando, já se pôs a imaginar algum meio de enganar a pobre ave, a fim de devorá-la.

Aproximando-se de árvore onde o cantor estava, disse com voz mansa:

— Querido amigo! Já soube da novidade? Da proclamação da paz? Do fim da inimizade entre os bichos? Pois é, meu irmão, foi declarada a paz geral entre os animais. Não há mais aquilo de espécie contra espécie. Acabou aquela história de um devorar o outro, um ferir o outro, um enganar o outro. Somos todos irmãos, agora. Desça, vamos comemorar juntos esse grande dia!

O galo, bem esperto, demonstrava se alegrar com a boa notícia enquanto fingia observar alguma coisa ao longe no horizonte.

— Que ótima notícia, irmã raposa! E veja só: alguns cães correm para cá para, quem sabe, dar-me essa mesma notícia. Vamos esperá-los, assim comemoraremos todos juntos a boa-nova!

— Nesse caso, é melhor eu ir embora — disse a raposa, apressadamente.

— Mas por que tão cedo, minha amiga? Não confia na notícia que acabou de me dar? Tem ainda medo de cães?

— Não é medo, não — disse a raposa já longe —, mas vai que eles ainda não sabem da declaração!

 

Moral da história: Nunca confie em amizades repentinas.

o arco-íris?
é como uma cobra
toda colorida que faz sombra

as nuvens?
são como algodão
que ficam voando
sem cair no chão

o unicórnio?
é como um cavalo
que esqueceu de dormir
e sonha acordado.
Etiquetas: ,